Critério de Aceitação

Existem muitas dúvidas em relação ao Critério de Aceitação das calibrações, por esse motivo separamos informações importantes para os profissionais do setor.

Processos Industriais

É fundamental para qualquer processo, ter um Critério de Aceitação para as calibrações, também processos industriais que atendam os requisitos de fabricação e também os do usuário. Para o fabricante, de modo geral é considerado o limite de erro admissível, onde na maioria das vezes é traduzido como classe do instrumento.

Já o usuário se preocupa com seu processo, seu uso. Em qualquer caso o instrumento de medição deve ser adequado para produzir resultados que garantam a qualidade requerida no sistema.

O fabricante, usualmente tem como Critério de Aceitação o erro, ele deve atender determinadas normas e/ou apresentar sua garantia particular. Normalmente o produto atende uma classe ou faixa sendo que o erro máximo é apresentado dividido pelo maior valor da faixa, é importante estar atento a esta colocação.

Os documentos DOQ. CGCRE 014_012 e DOC. CGCRE 017_023, publicados no site do INMETRO, por exemplo, para área de pressão, apresentam faixas referentes a critérios de fabricante de manômetros. No Guia de Expressão de Medição, item 3.2.4 consta: “Supõe-se que o resultado de uma medição tenha sido corrigido para todos os efeitos sistemáticos reconhecidos como significativos e que todo esforço tenha sido feito para identificar tais efeitos”.

Gráfico ilustrativo de faixas de critério de aceitação

O que é Erro Sistemático?

O Guia de Expressão de Medição apresenta a definição no item B.1.22 que também consta no VIM: “Erro sistemático é o valor médio que resultaria de número infinito de medições do mesmo mensurando, efetuadas sob condições de repetitividade, menos o valor verdadeiro do mensurando”. A Norma ISO 57257, tem 6 partes para definir o erro sistemático de um laboratório frente a outros.

Nela fica bem claro que o laboratório para definir seu erro de “repetitividade” deve fazer muitas comparações até chegar a uma conclusão mais consistente. Assim, o mais razoável, seria utilizar o valor médio e incerteza das últimas calibrações como valores mais prováveis do mensurando. Isto, contudo, ainda não é usual no entendimento da maioria das pessoas.

Que Critério de Aceitação utilizar ?

O Critério de Aceitação de Certificados depende essencialmente do uso destinado ao instrumento de medição/padrão. Para garantir a qualidade do serviço/processo devem existir Critérios de Aceitação e rejeição (valores máximos ou mínimos aceitáveis, face aos fins e usos a que se destinam os equipamentos) que permitam analisar os resultados das calibrações/verificações realizadas e tomar decisões quanto ao seu uso (apto para uso, uso parcial ou restrito, reclassificação, aguardando manutenção ou ajuste e segregação).

Recomenda-se que, na ausência de outra especificação (imposta por documento normativo, regulamento, etc), seja utilizado o seguinte critério de aceitação da calibração. A soma do módulo do resultado da medição com o módulo da incerteza associada deve ser inferior ou igual ao valor máximo admissível (VMA) para o equipamento.

│erro │+ │incerteza │ <= │VMA │

52 respostas para “Critério de Aceitação”

  1. Tenho um criterio de aceitação para um processo onde utilizo terhigrometro e de 0,66, pois mandei calibrar e fiquei na duvida como devo analisar pois o erro é de -0,9 a incerteza é de 0,3, como devo proceder somar ou diminuir? Pois sei que erro + incerteza, agora não sei se atende ou não. Pode me ajudar por favor

    1. Boa tarde Lilian !!! Em geral, no pior caso, faz-se a soma em módulo do erro e a incerteza. Ou seja, [ 0,9 + 0,3 = 1,2 ]. Também pode-se utilizar a soma quadrática com extração da raiz quadrada, ou seja [ (0,9)^2 + (0,3)^2 = 0,94 ]. Este valor vc deverá comparar contra o seu critério de aceitação. Se desejar maiores explicações, envie um e-mail para podermos trocar melhores INFOs [ newtonbastos@presys.com.br – 11-99968-9483 ]

      1. Boa tarde Lisandra. Sim, sua conta está correta. Para ajudar no entendimento desse tipo de conta sugiro consultar a literatura técnica Fundamentos da Teoria de Erros do autor José Henrique Vuolo. Espero ter ajudado, obrigado.

  2. Olá, tudo bem?

    Primeiramente parabéns pelo assunto.

    Uma dúvida em relação ao padrão de calibração.

    Tenho aqui comigo um padrão de calibração que foi calibrado em um laboratório não acreditado RBC e emitiu um certificado rastreado. No caso ele me enviou o certificado do padrão dele com o selo RBC, ou seja, o padrão dele foi calibrado em laboratório acreditado.

    Eu poderia aceitar esse padrão (não RBC) para calibrar outros equipamentos ? Sem o laboratório ter emitido um certificado RBC ?

    Porque senão eu poderia calibrar um equipamento qualquer aqui com um padrão calibrado em laboratório RBC que tenho aqui comigo e dizer que agora ele é padrão e poderia calibrar outros equipamentos com ele, emitindo um certificado rastreado (já que tenho o RBC aqui comigo).

    Não sei, essa replicação me parece que não é saudável do ponto de vista de reprodução do erro.

    Acredito que um padrão, que vá reproduzir o erro para um equipamento teria que ser calibrado em laboratório ACREDITADO pelo INMETRO. Não acho nenhum lugar que esclareça isso de forma contundente.

    1. Prezado Wellerson,
      Em um primeiro momento você deve observar seus procedimentos internos, com relação a exigência de calibração de padrões de calibração Acreditado ou Rastreado.
      Se isto não estiver claro, vou explicar abaixo as diferenças.
      Quando você opta pela calibração de padrões acreditados, ou seja com selo RBC, o INMETRO já auditou e conferiu ao laboratório prestador uma CMC, ou seja, uma Capacidade de Medição e Calibração de acordo com as incertezas expressas no próprio site do INMETRO. Além disto auditou procedimentos técnicos e capacidade técnica dos profissionais que realizam esta atividade.
      Quando você opta pela calibração de padrões rastreados a RBC, ou seja, sem o selo RBC, mas com a rastreabilidade do padrão, o indicado seria você realizar o procedimento de qualificação de fornecedor, justamente para avaliar a capacidade de Medição e Calibração de acordo com as incertezas expressas pelo prestador. Verificar também os procedimentos técnicos e capacidade técnica dos profissionais que realizam esta atividade. Sempre exigir a cópia do padrão Acreditado para comprovar rastreabilidade.
      Com relação as incertezas, não necessariamente a acreditada é melhor que a rastreada e vice versa, depende dos padrões utilizados no processo. Importante observar se as incertezas do certificado do padrão atendem aos seus requisitos para realizar as calibrações com aquele padrão.
      Esperamos ter ajudado, estamos sempre á disposição.

  3. Em relação à equação no final do artigo. O que seria o vma? É a tolerância? A tolerância/5? Tolerância/10? Isso que eu quero saber…obrigada.

    1. VMA = Valor Máximo Admissível.
      Não é diretamente a tolerância.
      Observe, se você tem um processo, que no âmbito da qualidade, para garantir será necessário uma tolerância de processo de +/- 3C, uma boa prática seria dividir por 3 a Tolerância do Processo e ter seu VMA para a calibração do Instrumento em 1C. Isto é uma boa prática. Quanto mais próximo de 1 a relação VMA com a Tolerância de processo, maior o risco de um problema de calibração do instrumento afetar a qualidade de seu produto e você ter que realizar toda uma busca pelos produtos fora de especificação. Ajudou? Estamos à disposição.

        1. Boa tarde Tiago, tudo bem? As normas indicadas neste caso seriam a ISO 10.012, BPS de sua empresa, além de documentos de qualidade relacionados ao seu processo pois não se calibra o instrumento pelas características do instrumento, se calibra para atender as características de processo. Estamos à disposição!

  4. Eu tenho uma dúvida. Na empresa que trabalho, foi comprado um fluxímetro digital e tenho que criar um critério de aceitação e não sei como fazer. A tolerância máxima do processo é 20 lux.
    Como poderia definir? Poderia simplesmente dividir o 20 lux por 10 ou 1/5 de 20 lux? estaria certo dese modo?

    1. Prezado Roberto, não existe na norma NBR 10012, na atual revisão, nenhuma obrigatoriedade por parte do usuário em definir o valor baseado em um fator da tolerância de processo (no seu exemplo 1/5). Porém, como boa prática, levando em consideração a revisão antiga que dizia: “O instrumento de medição deve ser de 3 a 10 vezes melhor do que a tolerância de processo”. Dessa forma, boa parte dos usuários adotam como critério de aceitação como 1/3 da mesma, ou seja, 20/3=6,67 lux.
      Esperamos ter tirado sua dúvida, estamos à disposição. Obrigado.

    1. Bom dia Deuzeny. A norma ISO 9001:2015 no item 7.1.5.1 diz: A organização deve monitorar e prover recursos necessários para assegurar resultados válidos e confiáveis quando monitoramento ou medição for usado para verificar a conformidade de produtos e serviços com requisitos. No item 7.1.5.2 (parte sobre Rastreabilidade da medição), diz que: Quando a rastreabilidade de medição for um requisito, ou for considerada pela organização parte essencial da provisão da confiança na validade de resultados de medição, os equipamentos de medição devem ser:
      a) verificados ou calibrados, ou ambos, a intervalos especificados, ou antes do uso, contra padrões de medição rastreáveis a padrões de medição internacionais ou nacionais…
      Portanto, salvo se não houver Legislação específica (como é o caso de Balanças – Portaria 236 – em que o INMETRO estabelece o critério de aceitação), “a Organização deve estabelecer os seus critérios de aceitação para garantir a conformidade dos produtos”.
      Em linhas gerais, o critério de aceitação deve ser estabelecido pelo próprio usuário, tendo como base a Tolerância de Processo.
      Obrigado, estamos à disposição.

  5. Parabéns pelo artigo. Tenhoas seguintes dúvidas relativamente às micropipetas:
    Pela norma ISO 8655-2 e pelas especificações do fabricante a micropipeta o ero aleatório e sistemático devem ser indferiores ao valor definido como máximo pela norma. Nestes casos não se considera o valor da incerteza para aceitar ou rejitar o quipamento, certo?
    Porque na maioria das fórmulas para calcular critério de aceitação, o erro aleatório não é considerado? Apenas se contabiliza erro sistemático + incerteza.
    Tem algum critério de aceitação que recomende. Habitualmente utilizo CA=1,5x especificação do fabricante + IT

    1. Bom dia Décio, obrigado pelo feedback.
      As especialidades da Presys Instrumentos estão direcionadas para as grandezas de pressão, temperatura e sinais elétricos.
      Mas visando lhe dar um norte com relação a calibração de pipetas, existe um documento orientativo do INMETRO chamado DOQ-CGCRE-027 que orienta no desenvolvimento de processos de calibração de volume, grandeza esta direcionada para calibração de pipetas.
      Espero ter ajudado, obrigado.

    1. Bom dia Angela. Em geral, a escolha de um padrão de calibração está associado ao que este padrão irá calibrar.
      Então por definição de sua necessidade de calibração, os níveis de exatidão e incerteza de um padrão serão preponderantes para esta escolha.
      Como definição de critério de aceitação para um padrão, indicaria você colocar um valor entre o menor especificado no manual do fabricante do padrão e o menor ponto de calibração, onde este padrão será utilizado, claro que multiplicado por uma fator K (geralmente igual a 2), ou seja:
      Ex: Processo calibração de temperatura
      Necessidade do processo. Calibrar 0 ~ 100 C (+/- 0,9 C)
      Padrão escolhido. Medir e gerar sinal de temperatura com (+/- 0,3 C)
      Definição do critério de aceitação para o padrão: número entre o 0,3 e 0,9 C.
      Nossa sugestão para este caso seria 0,3 + 0,9 /2 = 0,6 C – indicado colocar 0,5C por segurança.
      Ou seja, seu padrão calibrado, dentro deste critério servirá para calibrar o processo indicado.
      Estamos à disposição, obrigado.

  6. Bom dia. Para estabelecer um critério de aceitação levando em consideração o intervalo de tolerância divido por 10 ou 3, qual norma estabelece este critério? Seria uma probabilidade de erro de medição?

    1. Bom dia Bruna, tudo bem?
      Antigamente, a norma NBR ISO 10012 estabelecia que o critério de aceitação de instrumentos deveria der uma fração da Tolerância de Processo e essa fração varia de 3 a 10 (Tol/3, …, Tol/10). Com a revisão desta norma não existe mais um valor definido. A norma diz que: “a instituição deve prover um critério de aceitação (Erro Máximo Admissível) coerente com o processo”, desta forma a responsabilidade por definir o C.A. passou a ser da instituição.

      Segue abaixo um trecho retirado da Norma NBR ISO 10012:
      ABNT NBR ISO 10012:2004
      “Registros do processo de comprovação metrológica devem demonstrar se cada item do equipamento de medição satisfaz os requisitos metrológicos especificados. Os registros devem incluir quando necessário:
      a) Descrição e identificação única do fabricante do equipamento, tipo, número de série, etc.;
      b) Data na qual a comprovação metrológica foi completada;
      c) Resultado da comprovação metrológica;
      d) Intervalo fixado para comprovação metrológica;
      e) Identificação do procedimento de comprovação metrológica (ver 6.2.1);
      f) Erro(s) máximo(s) permissível(eis) definido(s);
      g) Condições ambientais pertinentes e declaração sobre quaisquer correções necessárias;
      h) Incertezas envolvidas na calibração do equipamento;
      i) Detalhes de qualquer manutenção, tais como ajustes, reparos ou modificações realizadas;
      j) Quaisquer imitações de uso.”

      Espero ter ajudado, estamos sempre à disposição!

    1. Boa tarde Karla, segundo o ISO GUM e a literatura técnica relacionada a teoria dos erros você pode sim somar em módulos um erro mais a incerteza calculada para comparar o resultado contra o critério de aceitação de sua calibração. Espero ter ajudado, estamos à disposição!

  7. Bom dia. Alguém pode me ajudar a como definir o critério de aceitação para certificados de calibração de peneiras granulométricas para classificação de soja.

    1. Agradecemos seu contato!!
      Nossas especialidades são nas grandezas Pressão, Sinais Elétricos e Temperatura, sugerimos que consulte nas redes brasileira de calibração do seu estado que com certeza terão as grandezas requeridas.

    1. Agradecemos seu contato!!
      Nossas especialidades são nas grandezas Pressão, Sinais Elétricos e Temperatura, sugerimos que consulte nas redes brasileira de calibração do seu estado que com certeza terão as grandezas requeridas.

    1. Olá, Ismael!
      Para saber mais sobre o produto e suas especificações técnicas, contate nossa equipe de vendas através do tel.: (11) 3056-1900 ou e-mail vendas@presys.com.br.
      A Presys agradece o seu comentário, conte sempre conosco.

  8. Olá, bom dia!
    tenho uma dúvida em critério de aceitação e tolerância, nas últimas tabelas que peguei para trabalhar a pessoa que era responsábel pegava o valor da tolerância ex: 2 e o critério de aceitação automaticamente seria 4. O calculo ficava assim ( erro+ incenteza=< critério de aceitação/2) isso é certo?????

    exemplo
    erro (0,2) incerteza 0,3/ tolerância: 2,0/ critério de aceitação 4/2
    0,5<= 2 ( aprovado)

    1. Olá, Carla Machado!
      Para saber mais sobre o produto e suas especificações técnicas, contate nossa equipe de vendas através do tel.: (11) 3056-1900 ou e-mail vendas@presys.com.br.
      A Presys agradece o seu comentário, conte sempre conosco.

  9. Bom dia, poderiam me ajudar com uma dúvida sobre a soma do erro de medição mais a incerteza em um certificado. Por exemplo quando tenho um erro de -0,000003 e uma incerteza de 0,02 devo desconsiderar o sinal e simplesmente somar chegando a 0,020003? Ou tenho que pensar que a incerteza pode ser tanto positiva quanto negativa chegando ao valor 0,019997?

    1. Olá, André!
      Para saber mais sobre o produto e suas especificações técnicas, contate nossa equipe de vendas através do tel.: (11) 3056-1900 ou e-mail vendas@presys.com.br.
      A Presys agradece o seu comentário, conte sempre conosco.

  10. Boa tarde! ótimas explicações.

    Tenho um equipamento (braço tridimensional) onde seu erro e incerteza somados chegam a 0,035mm, e a tolerancia do processo é 0,010mm, utilizando o método (Tol/3, …, Tol/10) percebemos que este tipo de equipamento não atende minha necessidade.
    Minha pergunta é, existe outra forma de validar esse equipamento para essa aplicação?

    1. Olá, Atilas Camara!
      Para saber mais sobre o produto e suas especificações técnicas, contate nossa equipe de vendas através do tel.: (11) 3056-1900 ou e-mail vendas@presys.com.br.
      A Presys agradece o seu comentário, conte sempre conosco.

    1. Olá, Helika!

      Consulte os documentos orientativos DOC CGCRE_014 e DOC CGCRE_017 que podem ser acessados no Portal do Inmetro.

      A Presys agradece seu comentário, conte sempre conosco.

  11. Preciso de ajuda para elaboração de critério de aceitação, sabendo que no meu certificado consta desvio e incerteza, porem que critério definir, sabendo que meu equipamento é um calibrador de rosca externo 3″x24mm e conforme norma do cliente é especificado como 3.000-24 e que para o diâmetro menor, por o calibrador ser PASSA, norma do cliente especifica mais 2949 e menor 2,944.

    1. Olá, Mikael!

      Na verdade, o erro máximo admissível vai depender de cada aplicação. O que existem são boas práticas para se estabelecer o EMA. Por exemplo usar fatores como: 3X a exatidão do instrumento, ou Tol/3… Tol/10.

      A Presys agradece seu comentário, conte sempre conosco!

  12. Suponho que exista um Critério de Aceitação legalmente estabelecido para manômetros analógicos instalados em caldeiras industriais. Alguém tem conhecimento sobre isto? Poderiam me ajudar? Desde já agradeço.

    1. Olá, Maria!

      Existem, sim. Você pode consultar os seguintes documentos orientativos: DOC CGCRE_014 e DOC CGCRE_017.

      A Presys agradece seu comentário, conte sempre conosco!

  13. Olá, boa tarde!

    Tenho um termohigrômetro e preciso definir um limite de aceitação para ele, existe alguma norma que define isso pra mim? Ex: 20° +/- 1,5°C… ou 5%. Se sim, qual seria essa norma? Como estabelecer para ele um limite máximo e mínimo aceitável?

    1. Olá, Guilherme Henrique!
      Para saber mais sobre o produto e suas especificações técnicas, contate nossa equipe de vendas através do tel.: (11) 3056-1900 ou e-mail vendas@presys.com.br.
      A Presys agradece o seu comentário, conte sempre conosco.

  14. Boa tarde,

    Estou com dificuldade para encontrar normas que descrevam o EMA para calibração de pHmetros.
    Poderiam me ajudar, por favor?

    Obrigada.

    1. Olá, Meire!

      Na verdade, o erro máximo admissível vai depender de cada aplicação. O que existem são boas práticas para se estabelecer o EMA. Por exemplo usar fatores como: 3X a exatidão do instrumento, ou Tol/3… Tol/10.

      A Presys agradece seu comentário, conte sempre conosco.

  15. Bom dia.

    Posso considerar como Critério de aceitação para um Instrumento de medição a precisão do mesmo?

    1. Olá, esperamos que esteja tudo bem com você.

      Com relação a sua dúvida: pode, porém é muito arriscado utilizar a exatidão pois os instrumentos tendem a mudar a curva de calibração com o passar do tempo e, como o critério de aceitação é muito “justo”, corre-se o risco de o instrumento extrapolar o critério.

      A Presys agradece seu comentário, conte sempre conosco.

  16. como achar o erro de uma balança rodoviária de 60 toneladas?

    pois necessito achar o erro para conferir laudos de calibração apos aferição .

    1. Olá, Roberto Pires de Camargo!
      Para saber mais sobre o produto e suas especificações técnicas, contate nossa equipe de vendas através do tel.: (11) 3056-1900 ou e-mail vendas@presys.com.br.
      A Presys agradece o seu comentário, conte sempre conosco.

  17. Bom dia.

    Comprei um instrumento novo um termohigrometro e tenho que definir um critério de aceitação para o processo da empresa que eu trabalho porém o pessoal do processo de fabricação nao sabe definir, a duvida é eu tenho que pegar o manual do instrumento e ver pela exatidao dele ou primeiro calibrar ele para encontrar o maior erro de medicao e maior incerteza e somar e dividir po 3 ou 10 e assim criar o critério de aceitação para a produção?

    1. Olá, Ricardo!
      Para saber mais sobre o produto e suas especificações técnicas, contate nossa equipe de vendas através do tel.: (11) 3056-1900 ou e-mail vendas@presys.com.br.
      A Presys agradece o seu comentário, conte sempre conosco.

    1. Olá, Ana Beatriz!
      Para saber mais sobre o produto e suas especificações técnicas, contate nossa equipe de vendas através do tel.: (11) 3056-1900 ou e-mail vendas@presys.com.br.
      A Presys agradece o seu comentário, conte sempre conosco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *